Tag Archives: poemas

…Se pudesse eu voltaria e você?

20 fev

Imagem

Se pudesse eu voltaria e você?
Se pudéssemos, o que faríamos?
Se pudéssemos será que voltaríamos no tempo?
Se pudéssemos… o que mudaríamos? O que diríamos?
Se pudéssemos faríamos diferente? Seriamos outros?
Se… o que mudaríamos? O que falaríamos? O que seriamos?
Mas não há como voltar, não há como refazer,
Não existe retrocesso no tempo.
Ele sempre caminha para frente, sempre a favor do vento.
Sempre anuncia uma nova estação,
Sempre faz da pedra pó, e o vento… leva!
Cabelos caem, pessoas envelhecem,
Pedras viram pó, mas o tempo não para!
Covarde que és! Não destes-me outra chance.
E as palavras… estas ficam! Sempre irão ficar
Palavras são mais! Muito mais que palavras…
Palavras machucam ou encantam,
Matam ou dão vida. Dê vida, não mate!
Palavras não são apenas palavras.
Podem ser como pregos martelados em madeira
Ou acalanto suave para a alma
Se eu pudesse eu voltaria… mas não posso!
E você, pode?…
Anderson L. de Souza

http://andersonmineiro70.blogspot.com

Se pudesse eu voltaria e você? de Anderson L. De souza é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.
Based on a work at andersonmineiro70.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available athttp://omundodaanja.blogspot.com/.

Vida e morte… será?

21 nov

Vida e morte… será?

A uma vida que não quero viver,

A uma morte que não quero morrer,

A uma vida que nela só o cheiro da morte me alumia…

A uma vida que não quero morrer, nem na morte viver…

A uma vida que só a morte é certa,

A uma vida incerta que de certa nada resta.

A uma sombra na luz, e esta que sombra me guia?

A uma vida nas sombras, morte e vida, que me espera?

A uma morte que não quero morrer,

A uma vida que não quero viver,

A uma vida que só a morte é certa…

Vidas que não quero viver, nem nesta vida morrer…

Nem nesta morte chegar,

Antes a Luz encontrar…

Luz que sei! Habita em mim.

Ou talvez não… será?…

Anderson L. de Souza

Morte e vida… será? (outra face…)

A uma vida que sei que encontrei,

A uma morte que sei, não terei!

A uma morte que na vida não virá!… Será?

A uma vida que a morte não levará

A uma morte que se perde na vida,

A uma vida que a morte não encontra,

A uma morte que era certa, mas sempre incerta.

A uma vida que era incerta, mas se fez certa.

Aquela Luz brilhou no caminho,

A luz brilhou…

A vida veio em mim viver…

A morte não virá…

Anderson L. de Souza

A tradução de um poema

15 nov

Despertar, coro da madrugada
Congratulando-se,
O novo dia ainda intocado,
Esperando para ser preenchido…

E será que vamos pintar um arco-íris
Com todas as suas promessas
Ou infelizmente pintar apenas
O maçante da tela?

Cada dia traz suas próprias cores
Para serem escolhidas, mistas,
Pigmentos de alegria,
Momentos felizes,
Sorrisos e risos…

E o que você vai escolher?
A ‘vida’ é uma escolha,
Somos todos artistas
Em nosso próprio caminho,
Todos os que necessitam para criar
Algo de valor,
De uma beleza duradoura,
Marcando nossa viagem …

Pegadas na areia …

O céu hoje está azul,
O sol quente e dourado
A uma filigrana de luz e sombra a se jogar
Por entre as árvores balançando suavemente.

Eu limpo meus pincéis,
Escolho minha paleta
De cores vibrantes e vivas,
E começam a encher
A tela em branco de hoje…

Poema de Antonieta (traduzido por mim)

Desprezo

13 out

Desprezo
Ricardo Gondim

Desprezo o rigor dos conservadores que desprezam a ética em nome da ortodoxia.

Desprezo a euforia dos pragmáticos que desprezam o conteúdo em nome do sucesso.

Desprezo a hesitação dos cautelosos que desprezam a consciência em nome da conveniência.

Desprezo a coragem dos demagogos que desprezam a realidade em nome da reputação.

Desprezo a piedade dos religiosos que desprezam a própria humanidade em nome da idealização.

Desprezo a lealdade dos amigos que desprezam a afeição em nome da ocupação.

Desprezo o discurso dos teóricos que desprezam a ação em nome da catequização.

Desprezo a iniciativa dos empreendedores que desprezam a vida em nome do desempenho.

Soli Deo Gloria